Liberdade celebrou Semana Santa

30/03/2016 19:28

Com  devoção e entusiasmo,  a Paróquia Bom Jesus do Livramento vivenciou os atos litúrgicos ou  de  piedade popular  próprios da quaresma e da Semana Santa, preparando a comunidade católica com caminhadas e via sacra  em cada amanhacer das sextas-feiras da quaresma e prosseguindo com memória das angústias que Maria suportou, meditando sobre elas durante Missas  no decorrer de  sete noites da chamada Semana  das Dores.

 A Semana Santa, conhecida também como Semana  Magna ou Maior, começou com a Procissão de Ramos que relembra a entrada triunfal de Jesus na cidade de Jerusalém, quando o povo, agitando ramos, saudava seu Rei.
  

Prosseguiu com celebração de atos litúrgicos próprios para famílias,  idosos, enfermos e juventude,

Missa dos Enfermos
 

 fechando a primeira parte da Semana  com piedosa e bem participada procissão com a qual se relembra o momento em que,  arrastando a cruz para o Calvário,

 Jesus encontra no caminho sua mãe, Maria, desesperada e sem poder  o ajudar.

Na quinta feira, iniciando o Tríduo Pascal,  a Igreja reviveu a última ceia, quando  Jesus instituiu a Eucaristia  e o sacerdócio. Antes,  lavou, enxugou e beijou os pés dos 12 


apóstolos dando-lhes testemunho de humildade, serviço e amor incondicional ao próximo (Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei).  Em Liberdade,  Padre Ivair Carolino,  Reitor do Santuário,  lavou os pés de uma mesma família (pai, mãe e filho) e de outros nove representantes (homens e mulheres) de segmentos da sociedade  (catequese paroquial, Câmara Municipal, Prefeitura, juventude, educadores, prestadores de serviço) convidando-os a  incentivarem e continuarem o projeto da  CAMPANHA da FRATERNIDADE que convocou a todos, de forma ECUMÊNICA, para assumirem RESPONSABILIDADE pela conservação da natureza,  evitando abusos contra ela, garantindo água, saneamento e bem estar a quem a habita  porque o planeta é a CASA COMUM de toda a população.


Sexta feira foi dia reservado para celebrar a memória da Paixão e morte  do Senhor e adoração a Ele na cruz (celebração litúrgica das 15 horas) encerrando-se com emocionante e sempre aguardada encenação  do julgamento  e crucificação e   “procissão do enterro”.


 Depois,  a Igreja mergulhou  em profundo silêncio até que, na noite de sábado, encerrou-se a Vigília Pascal.  Noite santa, noite bela na qual se acende o fogo novo (Cristo, luz do mundo, representado no Círio), 

proclama-se a Páscoa, louva-se a Deus com hino de louvor e toque de sinos, ouve-se a Palavra, renovam-se promessas batismais,  dá-se  nascimento a novos cristãos pelo sacramento do batismo. Finalmente, no alvorecer de domingo, a Igreja reviveu a  Ressurreição (Páscoa – vida nova)  percorrendo via pública com o Santíssimo Sacramento para testemunhar que Cristo ressurgiu e reina eternamente.

Que todo o povo possa ter dito: Aleluia,  também porque a Páscoa deste ano  fez nascer pela água do Santo Batismo mais treze cristãos que, assim,  inscreveram seus  nomes no coração de Cristo, entre eles o jovem SAULO BRAZ da COSTA ABRAÃO que, aos 17 anos, se põem  no caminho da fé, como exemplo para outros jovens, em perfeita unidade com seus pais  Belmira  e  Eliezer;   ele,  zeloso  membro  da  Igreja  Batista  e, ela,  catequista.

Voltar