MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA

10/05/2016 09:22

     Senhor Bom Jesus do Livramento, tende misericórdia de nós!

    Ó sangue e água, que jorraste do Coração de Jesus, como fonte de misericórdia para nós, eu confio  em vós.

    Pela sua dolorosa paixão, tende misericórdia  de nós   e   do  mundo  inteiro ...

    Como é bom a gente ter um Pai a quem recorrer e se entregar sem medo nos momentos em que tivermos precisando de apoio, de socorro, de misericórdia! A ideia que temos de Pai,  até mesmo do Pai do Céu,  é de uma pessoa, de um Sêr  forte, poderoso, perto de quem nós nos tornamos protegidos  e corajosos.  De que terei medo se o Pai está comigo?!...  Se Deus está   conosco... quem será contra nós?....

    Por isso, quando rezamos dizendo:  Jesus tende misericórdia  de nós e do mundo inteiro  estamos sendo humanos, fraternos,   unidos a todos os batizados do mundo .... nos sentindo tão fortes  e corajosos  que não deixamos  ninguém fora de nossa oração....

    De outro lado,  como é confortante e doce se ter  se ter uma mãe.   Mesmo quem já devolveu a sua para o coração de Deus tem o consolo de, pela  bondade de Jesus, ter mãe celeste,    mãe  eterna  em cujo colo - que  não se vê mas se sente – pode-se  reclinar a  cabeça, depositar  orações de filhos tantas vezes desorientados e sofridos... outras vezes agradecidos e felizes...

    Por isso, antes de se  louvar e venerar   MARIA, a  MÃE DA  MISERICÓRDIA é justo e salutar que se grite gratidão a seu filho:   LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO!...

    Sim...  louvado seja Jesus,  o bom e misericordioso  Cristo  de Deus,  aquele que teve  a misericórdia de partilhar  conosco  a maternidade de sua   Mãe MARIA   e   de   nos  tornar irmãos  seus

    Como isto aconteceu?!?

    Desde a anunciação do anjo,   Maria  foi  envolvida na infinita misericórdia de Deus Pai, pelo Filho e no Espírito Santo e teve a humildade de aceitar o pedido de Deus e se tornar  a mãe daquele  que  viria  e veio para salvar o mundo.

    Mãe zelosa,  acompanhou Jesus na infância (nascimento em situação humilhante e fuga  para se esconder no Egito),  na  adolescência (perda dEle no templo de Jerusalém), na sua mocidade  (socorrendo família  na festa de casamento em  Caná)  e no final de sua vida terrena (sofrimento,  morte e  sepultamento do filho amado)

    E foi ali,  pendurado numa  cruz, sem força para resistir, que Jesus  se  lembrou de não deixar a Mãe desamparada. Na cruz, Jesus pronunciou apenas sete frases (recordadas sempre em  sermões das  07 palavras)  e  numa delas, juntando o resto da  forças para falar,   lançou um  último  olhar  misericordioso  para sua Mãe  dizendo, para que todas as pessoas ouvissem, sem segredo nenhum,  aquilo que está no  evangelho de São João:

    MULHER,  eis aí o teu filho!...  Traduzindo aquelas  resumidas palavras  para os dias atuais, sem dúvida Jesus  teria pretendido dizer:    mãe,  estou partindo,  mas deixo João no meu lugar;   ele tomará conta de você...  trata-o como a um filho...  E  foi naquele momento que Jesus repartiu a maternidade de nossa Senhora  com toda a humanidade. Filhos de Maria e irmãos do Salvador.  Quanta graça!.

    Portanto, a filiação entre a humanidade e  Nossa Senhora  começou  longe,  há mais de 2.000 anos,  lá na anunciação.  No momento em que Maria respondeu ao anjo “eis-me aqui”, “faça-se...” a divina misericórdia (Jesus) se fez carne  e entrou na nossa história,   na   história do  mundo,  por meio dela,  a  mãe.

    E das palavras ditas por Jesus no Calvário aquelas dirigidas a Maria e João (“eis, aí, tua Mãe”) confortam nossa vida. A cada vez que olhamos uma cruz devíamos pensar:  foi dali.... daqueles braços estendidos,  que o meu Jesus  me  deu   Maria por Mãe... Obrigado, Jesus, obrigado mãe.... S A L V E   MARIA... (saudação dos legionários)

    Papa Francisco expressou desejo de que, em 2016 especial de graça, vivenciando o Ano Santo da Misericórdia, se invoque com mais empenho a MÃE da MISERICÓRDIA rezando-se  mais vezes a   SALVE RAINHA.  Convém que se medite palavra por palavra, degustando uma a uma, como se estivesse escutando o vento: SALVE RAINHA, mãe de misericórdia (...) volvei para nós seus olhos misericordiosos!

    Algumas ideias  ajudam  a  entender melhor   o que é misericórdia e como ela acontece  na vida do cristão. Às vezes corremos o risco de confundir misericórdia  com piedade.

    Misericórdia é uma virtude que nasce da  vontade espiritual   e é própria das pessoas fortes na fé e no amor,  boas,  capazes realmente   de socorrer,  ajudar alguém, amar ou perdoar.    Por isso que a misericórdia se encontra principalmente em Deus, a perfeição total e eterna. Deus é misericordioso porque nos ama e nos perdoa!... A misericórdia  de Deus   uma das maiores manifestações  de sua bondade.  A misericórdia  não é sentimento;  é  ato concreto,  prática verdadeira de alguma coisa em favor do próximo.  São ações caridosas pelas quais  alguém ajuda o próximo nas suas necessidades corporais e espirituais.  Daí o Catecismo e a doutrina dividir as obras de misericórdia em sete corporais (que atingem diretamente a pessoas)  e outra sete espirituais (que se refletem na alma, no âmago, no espírito da criatura).

    Que é piedade?! É uma louvável inclinação,  um sentimento  de recolhimento, compaixão,   pena, dó   e que faz parte do interior,   da alma, do íntimo da pessoa  mas não se confunde com  ato. Pode um sentimento de piedade ou compaixão se transformar em  ato de misericórdia. Isto é verdade!  Mas se não houver ação concreta não se consuma a misericórdia. Um exemplo?! Está na parábola do samaritano (Lucas, 10, 30 e ss), narrativa de Jesus sobre um homem que viajava e foi assaltado e agredido brutalmente! Um sacerdote passou ali, por a acaso, e, também,  um  levita. Ambos olharam e viram... certamente tiveram dó, mas nenhum prestou socorro.    Só  um samaritano praticou ato concreto;  não ficou apenas na  compaixão  mas  praticou atos de misericórdia: fez  curativo de emergência,  cedeu sua montaria para o desconhecido e o  levou para a cidade  onde o internou e pagou  todas as despesas de curativo e estadia do ferido.

    Nossa Senhora participa dessa perfeição divina: une a piedade à misericórdia; tem compaixão de quem pede e concede a misericórdia através de Jesus. A Santa Virgem Maria é Mãe da Misericórdia porque é mãe da divina graça, porque  é mãe de Jesus, autor da graça. Participou da misericórdia divina desde a anunciação até ao calvário e, depois, com os apóstolos  na vida inicial da Igreja de Pedro.

    Jesus, no sermão da Montanha,  aconselhou  seus discípulos a serem misericordiosos e chama  todos para oferecerem misericórdia aos  irmãos... e aos inimigos, também, pois são filhos de Deus.  É preciso ter até a misericórdia de rezar pelos que  nos perseguem, conforme está no Evangelho de Mateus (5,44)

    Com quem  se pode  aprender  MISERICÓRDIA?!

    Sabe-se  que MARIA foi mãe zelosa. Educadora.  Ensinou tudo  a seu Jesus.  Mas, também, aprendeu com ele  o amor,  o perdão,  a misericórdia.  Tanto ela aprendeu que não odiou nem amaldiçoou aqueles que o humilharam, traíram  ou maltrataram... De tudo que ela viveu com o Filho,  aprendeu a ser mulher forte  que  perseverou   na oração, juntamente com apóstolos e discípulos, intercedendo   e ajudando na propagação da Igreja nascente, entregue ao pastoreio  de Pedro.  Maria nos faz compreender que para ter misericórdia é preciso viver o amor e distribuir  o perdão.

    Antes mesmo de instituir o Ano Santo da Misericórdia Papa Francisco já havia confiado este Jubileu à proteção de Maria.  Fez isso na Itália,  numa paróquia que há mais de 200 anos faz a coroação de uma  imagem  venerada sob invocação de NOSSA SENHORA A MÃE DA MISERICÓRDIA. Naquele dia, invocou a materna proteção de Maria e convidou a Igreja para se aprofundar na confiança à  Misericórdia e difundir esta devoção.

    Depois de aberto oficialmente o Ano Santo, muitas vezes o Papa  vem citando MARIA como exemplo, chamando Nossa Senhora de Mãe da misericórdia, mãe de Deus, mãe do perdão,  mãe da esperança,  mãe cheia de santa alegria, mãe da divina graça ( é na divina graça que está a misericórdia ).  Há muitos anos, Santo Afonso já havia dito que Maria é a mãe da misericórdia porque seu amor faz com que se compadeça de nós e procure sempre nos salvar, através da misericórdia de Deus  – misericórdia esta que está sempre ligada ao perdão e ao amor

    COMO SURGIU A DEVOÇÃO  À  MÃE DA MISERICÓRDIA?

    A devoção à Mãe da Misericórdia não é nova. Há mais de 500 anos, na Europa (Lituânia) já se venera  imagem da Mãe da Misericórdia, com procissões e Missas. Outro exemplo dessa devoção é a oração da  SALVE RAINHA,  prece  que  tem sua origem há quase 1.000  anos e  é uma clara saudação à Nossa Senhora,   rainha e mãe de misericórdia Na sua  1ª parte contém uma saudação... na  2ª parte  uma oração  fazendo pedido e destacando a qualidade, a força, o valor do olhar materno de Maria: ... esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei...

    No Brasil, há 30 anos,  a CNBB incluiu  no MISSAL da Igreja  uma Missa dedicada a Santa Maria,  Rainha e Mãe da Misericórdia.  Também existem no Brasil paróquias dedicadas a Nossa Senhora Mãe da Misericórdia  ou simplesmente à Mãe da Misericórdia, como, por exemplo,  no  Distrito Federal,  em Goiânia  e  em Recife.

    Convém lembrar também da encíclica do Papa São João Paulo II (Dives in misericordia) em que ele  escreveu que MARIA É A PESSOA QUE MAIS CONHECE ou CONHECEU A FUNDO O MISTERIO DA MISERICORDIA DIVINA.... Disse o mesmo São João Paulo II,  com  outras palavras, que Maria,   Mãe  da Misericórdia,  exerce a misericórdia sem parar, com todos seus filhos, pois ela  não só intercede como se antecipa,  chega na frente,  e busca soluções assim como aconteceu   nas Bodas  de casamento da cidade de Caná:  acabou o vinho e ela não esperou; arranjou logo um jeito de ajudar. Conversou com Jesus e orientou a todos os garçons;  se fosse hoje,  de certo suas palavras seriam mais ou menos assim: não  esquentem a cabeça!!    Fazei tudo o que meu Filho vos disser  e tudo   vai dar  certo!   

    No sermão da montanha, Jesus declarou felizes os misericordiosos porque alcançarão misericórdia... E Nossa Senhora foi o exemplo maior da misericórdia.

    É mundialmente conhecida a  Ladainha de Nossa Senhora.

    Rezando ou cantando a LADAINHA   faz-se  uma  porção   de invocações  à Maria,  chamando-a de   Santa mãe de Deus,    mãe de Cristo,  mãe  da divina graça,  mãe puríssima,  mãe amável,  mãe do bom conselho,  mãe do criador, mãe do salvador,  mãe da Igreja....

    Tantas saudações à figura da Maria Mãe... mas em nenhum lugar, nenhuma invocação para a  Mãe da Misericórdia... Porque será?!... Porque faltou ler a Ladainha inteira... Lá mais adiante, na Ladainha,  Nossa Senhora é chamada  de  “saúde dos enfermos”, “refúgio dos pecadores”,  “consoladora  dos aflitos”,  “auxílio dos cristãos”.

    Qual a finalidade desses títulos?!   Destacar que Nossa Senhora   exerce a misericórdia preocupando-se com os que sofrem!  Ela é MÃE de MISERICORDIA   dos doentes, dos pecadores, dos aflitos, dos cristãos..

    Ela é a  “saúde dos enfermos”  quando faz  a  misericórdia  de Deus  curar tantas feridas deixadas em nós pelas consequências do mal,  sem contar as inúmeras curas milagrosas de males corporais,  devolvendo a saúde do corpo  a  pessoas de tantos lugares  do mundo. Salas de milagres ou de  votos e  promessas dos Santuários marianos  estão cheias desses testemunhos.  Aparecida é um exemplo....

    Maria é “refúgio dos pecadores” porque acolhe os erram para que, movidos pela proteção dela, se deixem vencer pelo arrependimento, retornem para a vida de Igreja e evitem as recaídas.  Quem nela se refugia, se esconde, tem a proteção contra o mal.

    Nossa Senhora não age sozinha.  Se utiliza de tantas pessoas como acontece por exemplo com congregações religiosas  que se dedicam  a rezar pelos pecadores e  a  distribuir para eles o perdão que Deus concede ao arrependido. Para exemplificar, cite-se a congregações de São Domingos (dominicanos) que se dedica ainda hoje, no mundo inteiro, à reza do santo terço;   os Redentoristas que propagam a devoção à Mãe do Perpétuo Socorro e cuidam de  acolher os penitentes em confessionários; os Passionistas que têm o carisma de trabalhar pela conversão dos pecadores...

    Nossa Senhora “consola os aflitos” porque é obra de misericórdia  espiritual  confortar os desesperados,  tirar  os infelizes da angústia,  animar os descrentes,  restituir a alegria através dos méritos da confissão.

    Enfim,  Nossa Senhora  de tantos títulos e denominações é só uma,  a especial, a  mãe da  divina graça (que é  Jesus)   e,  por essa mesma razão,  a MÃE DA MISERICÓRDIA... Se ela não age sozinha ...  serve-se também da oração e trabalho de legionárias  e legionários de Maria.  Não se duvide disto!...

Conforta o cristão palavras de Papa Francisco, citadas por Padre Ivair Carolino, em sua carta mensal de Reitor do Santuário Bom Jesus do Livramento, inserida no informativo da Paróquia de Liberdade-MG, edição de  maio/2016 ( e no site www.sbjl.com.br) :

    “Ela (Maria) é Mãe da misericórdia porque gerou no seu ventre o próprio rosto da misericórdia divina,  Jesus,  o Emannuel,   o esperado de todos os povos,  o Príncipe da paz.  O Filho de Deus, que se encarnou    para nossa salvação  deu-nos sua Mãe que se fez peregrina conosco  para nunca nos deixar sozinhos  no caminho da vida,  especialmente nos momentos de incerteza e sofrimento”.

    Encerrou  referido artigo a que deu  título de “Salve Rainha, Mãe de Misericórdia” desejando  “ que Maria,  a mãe de misericórdia, interceda por você,  amigo paroquiano devoto, colaborador  da evangelização e leitor do “Vinde e Vede”.   Que assim seja!

 

(Excerto de reflexão para Legião de Maria da Paróquia de Liberdade em tarde de oração no dia 07/05/2016 - sábado)

Voltar