QUIRINOS

23/10/2015 12:00

    Há  mais de cem anos, atraídos pela busca de trabalho na abertura da  estrada de ferro que ligou Barra Mansa a  Goiandira, em Goiás,  pessoas de sobrenome “Quirino”  instalaram-se num vale, pertinho de Augusto Pestana. Pouco a pouco outras famílias também se fixaram nas redondezas, de tal modo que a população  foi aumentando  naquele  lugar tranqüilo, embalado por canto de pássaros e barulho de águas lentas, silêncio só quebrado pelo ronco das locomotivas vagarosas no século passado e, atualmente,  por potentes e rumorosas composições que transportam carga no trecho que restou da extinta grande ferrovia.
    Terminada a construção em 1915, as pessoas  ficaram  sem serviço e começaram a procurar  outros meios de vida,  mas  sem abandonar suas terras, existindo  na localidade cerca de  trinta  moradias;  atualmente, cuidam de agricultura familiar,  exploração de mel, fabricação  artesanal em  bambu,  fabricação caseira   de ferramentas  para   trabalhos na  roça;   divertem-se como podem, tendo os moradores gosto especial  por futebol com participação em  campeonatos  disputados  fora  ou  no  campo do  povoado.
    “Quirinos” é localidade formada por pessoas que sempre se sustentaram na fé; acostumaram-se a fazer orações de casa em casa, visitando-se uns aos outros. Por vezes, participavam  de missas na capela de  Augusto Pestana  ou  iam à Igreja matriz de Liberdade  mas  a estrada  não era boa  e  meio  de transporte  pouco e difícil.
    Assim,  os moradores que professam a religião católica tinham  desejo  de ser  uma comunidade eclesial organizada;  reuniram-se e puseram em prática o projeto:  em  terreno cedido por doação de piedosas  pessoas da mesma família “Quirino”,  arrecadaram recursos e construíram sua capela que veio a ser inaugurada em 1996. Escolheram para patrono São Sebastião  por quem pessoas da zona rural costumam ter especial devoção. Portanto, trata-se de comunidade relativamente nova, como parte do corpo que é a Igreja, comunidade de comunidades. Recentemente, levantou-se  ao lado da capela uma área coberta para realização de leilões  ou momentos de confraternização, e, também,  salas  para catequese e reuniões.
    A alegre festa anual  em louvor a São Sebastião é programada para último domingo de janeiro com presença de muitos visitantes  de Liberdade,  de Rio das Pedras, Augusto Pestana, Soberbo e vizinhança .  Celebra-se Missa mensal, no último sábado

Voltar