SERRA DA GARÇA I

23/10/2015 12:00

    Serpeando pelos morros, velha estrada de terra batida sobe e desce lentamente... Ali, uma casinha branca;  lá, uma fazenda de telhado vermelho; além, mais moradias; ao longe, o azul das montanhas  distantes.  No meio do caminho, antes que a estrada se esconda para adormecer no  pé da serra,  aparece uma igrejinha alegre, recém construída, que, vista pelos fundos,  lembra um lugar que convida a descanso e  paz,   como se vê  em   fotografia  que  ilustra  este  texto. Trata-se  de  capela dedicada   à “Sagrada Família”, a  nova sede  da Comunidade  “Serra da Garça I ”, desejada durante anos pelos  moradores.
    As famílias mais antigas dali  aprenderam,   na luta do dia a dia, a colocar a religião em primeiro lugar;  vieram passando de pai para filho o  amor aos ensinamentos  cristãos.   Havia no lugar apenas uma  pequena gruta  construída por iniciativa de batalhadora professora primária municipal que durante muitos anos lecionou  em sua própria residência onde também era catequista  e  conselheira do povo. Animada, a comunidade se reunia nas casas  para reza  do terço,  orações em família,  estudos da Bíblia  ou atividades missionárias. No decorrer do tempo, o Poder Público construiu, ao lado do “campo de bola“, um Grupo Escolar que a  Comunidade passou  a  usar,  por empréstimo,  para catequese,  celebrações e Missas.  Apesar disso, o  povo  não desistiu de ter seu lugar  próprio para práticas  religiosas e,  depois de  anos de persistência e trabalho,  a  capela  ali está... graças ao empenho da Coordenação e dos moradores  e da colaboração de muitas pessoas despreendidas. Depois de anos, tem a Comunidade seu ponto de referência e elo de ligação de sua boa gente, discípula-missionária, com a Santa  Mãe-Igreja.  Celebra-se com ardor sua festa anual no dia dedicado à Sagrada Família (1º domingo depois do Natal)
    Tem  a Serra da Garça como característica o fato de boa parte de  seus moradores serem parentes entre si;  nasceram de raízes que se desenvolveram e deram frutos  que se espalharam  por muitos lugares. Quem ali permaneceu procura fortalecer a Comunidade, amparando-se   nos  ensinamentos bíblicos  e  na  vivência  dos  sacramentos.
    Enquanto seu povo caminha, a  Serra da Garça, garbosa, lá do alto, conserva conhecido patrimônio natural  de seu povo:  uma f o n t e  da qual,  dia e noite,   brota cristalina “água santa”  que muita gente da vizinhança  gosta  de  buscar na Sexta-Feira da Paixão e de  agradecer,  com Missa,  em  maio  (festa da Santa Cruz).

Voltar